Coluna do Frank | 1 Thor + 14 Cates

Fim de ano começa a ser anunciado nos cinemas com a chegada dos dois últimos filmes baseados em HQ do ano, o primeiro é: ‘Thor: Ragnarok’. + 14 Cates.

, por Francisco Carbone

Coluna do Frank | 1 Thor + 14 Cates

Fim de ano começa a ser anunciado nos cinemas com a chegada dos dois últimos filmes baseados em HQ do ano, o primeiro é: ‘Thor: Ragnarok’. + 14 Cates.

, por Francisco Carbone

Olá pessoal!

O fim de ano começa a ser anunciado nos cinemas com a chegada dos dois últimos filmes baseados em HQ do ano, e o primeiro deles estreia esse fim de semana: é ‘Thor: Ragnarok‘. A Marvel promoveu uma verdadeira revolução na série estrelada por Chris Hemsworth por perceber que entre todos os Vingadores com série regular, o habitante de Asgar caído na Terra era o que tinha menos regularidade. Nem suas bilheterias eram gigantescas, nem a crítica morria de amor pela série solo do herói. Logo, estavam todos numa situação onde talvez fosse necessária uma repaginada geral. A primeira providência foi trazer um diretor do cinema indie muito criativo, que atende pelo estranho nome de Taika Waititi, e o cara simplesmente arremessou o filme na estética exagerada e pop dos anos 80, levando humor e histeria para a produção. Ele também trouxe personagens novos vividos por atores consagrados como Jeff Goldblum e Cate Blanchett como a vilã. Por fim, ele tosou as longas madeixas do dono do martelo mais poderoso do cinema e o colocou como prisioneiros do outro lado do universo, precisando salvar Asgar enquanto se prepara para um duelo numa arena contra um velho conhecido verde seu. Parece ter dado resultado, porque nunca um filme estrelado pelo Thor foi tão bem falado e tão aguardado pelo público. O público brasileiro confere a partir de hoje, uma semana antes do americano.

Agora, se engana quem acha que apenas no longa acima veremos Cate Blanchett. Na verdade veremos Cate mais 13 vezes esse fim de semana. Em 13 outros filmes diferentes? Não, em 13 personalidades diferentes no longa ‘Manifesto‘, dirigido pelo artista plástico Julian Rosefeldt que também estreia esse fim de semana. De incomum o filme não tem apenas Cate em 13 versões não; na verdade o filme é o apanhado de situações envolvendo arte e os rumos dela, artistas icônicos que são a essência dessa representação e esse total de 13 Cate Blanchetts se desdobrando para dar conta de radiografar a arte e seus muitos viezes, num filme que nasceu numa instalação artística e acabou ganhando as telas do mundo todo, no que também não deixa de ser mais um atestado do imenso talento dessa australiana incomparável. Um prato cheio para os fãs dessa vencedora de dois Oscars e um filme absolutamente diferente de tudo que está em cartaz ou tenha passado pelo cinemas esse ano.

Para encerrar esse fim de semana cheio de Cate, um dos indicados a Palma em Cannes desse ano, e um dos mais deliciosos filmes a pintar pelo festival francês em 2017, ‘O Formidável‘. O diretor Michel Hazanavicius ganhou o Oscar pelo ‘O Artista’ e foi tentar seguir criando em inglês. Realizou um filme chamado ‘The Search’ que estreou em Cannes faz três anos, que ninguém viu e que nunca chegou a sair da Europa, apesar de estrelado por Annette Bening; era uma clara tentativa de parecer relevante e se fazer importante e sério – ninguém se importou. Aí ele talvez tenha percebido que nasceu para divertir, e voltou a de alguma forma a homenagear o cinema, dessa vez um ídolo do seu país, ninguém mais ninguém menos que Jean-Luc Godard. Mostrando o processo de filmagens de ‘A Chinesa’, o envolvimento amoroso com a musa de seu filme e o início de seu envolvimento com o engajamento político estudantil dos anos 60 e 70, assim como o processo que quebraria sua personalidade cinematográfica, o filme de Hazanavicius nada mais é do que uma imaginação sobre um Godard que pode ser ranzinza ou carinhoso, mas que acima de tudo era um gênio em construção. O filme reproduz em si características tão presentes na primeira fase de Godard e permite a Louis Garrell a grande interpretação de sua carreira até hoje. Acompanhado de Stacy Martin e Berenice Bejo, ‘O Formidável’ é imperdível e divertidissimo.

Na semana que vem, tem uma enxurrada de filmes brasileiros e uma análise sobre os primeiros favoritos ao Oscar do ano que vem.

Não percam e até lá!