Top 10 filmes sobre o submundo do sexo

Francisco Carbone selecionou os melhores filmes que abordam a temática do sexo ilegal, clandestino, proibido ou como quiser chamar.

imagem-post

No episódio #047 do Não Me Critica, falamos sobre o submundo sexual. Pensando nisso, nosso crítico de cinema, Francisco Carbone, selecionou os 10 melhores filmes que abordem a temática do sexo clandestino, ilegal, proibido, secreto, ou como você preferir chamar.

header_filmesexo_semanas

9 E 1/2 SEMANAS DE AMOR

O filme fetiche dos anos 80 criou uma coqueluche em torno de Mickey Rourke e Kim Basinger, simbolos sexuais instantâneos. Além das fartas cenas de sexo, o filme inovou mesmo entre elas, incluindo comidas no ato sexual e mostrando uma relação a três, onde Basinger, de olhos vendados, transa com uma prostituta paga por Rourke, sem saber das atividades da moça.

header_filmesexo_confiar

CONFIAR

Em tempos de internet desenfreada, quem nunca ouviu falar de pedofilia virtual? E quando esse ato salta do monitor? O filme acompanha a filha de Clive Owen e Catherine Keener sendo gradativamente seduzida por um homem casado e quarentão, que se passa por um adolescente como ela. Aos poucos, com a revelação, a menina não resiste e cede sexualmente, não se importando com a idade após uma lavagem cerebral grave.

header_filmesexo_8mm

8 MM

Nicolas Cage e Joaquin Phoenix se embrenham a investigar um caso de assassinato no submundo dos ‘snuf movies’, ou seja, produtos onde o que é filmado aconteceu de fato. E através dessas produções, chegamos perto da necrofilia filmada, quando um grupo decide manter relações com vítimas mortas.

header_filmesexo_baixio

BAIXIO DAS BESTAS

Nosso representante nacional, vindo do Recife. O diretor Claudio Assis é super chegado numa polêmica e aqui coloca uma cidade do interior que vive a base de um bordel clandestino, mas é no personagem principal que vive o grande horror do filme: um avô que explora sexualmente a neta de 12 anos, levada para os fundos de um posto de gasolina onde fica nua, para que os homens da cidade possam se masturbar observando seu corpo infantil.

header_filmesexo_corpo

CORPO EM EVIDÊNCIA

A diva Madonna interpreta a mítica Rebecca Carlson, acusada do mais inusitado dos crimes: matar durante o ato sexual, usando a volúpia como arma. Ao se envolver com o advogado vivido por Willem Dafoe, ela o levará aos passeios pelos mais escondidos níveis do desejo humano: sadomasoquismo gritando com cintos, armas e cera quente de vela.

header_filmesexo_verao

DE REPENTE, NO ÚLTIMO VERÃO

Elizabeth Taylor no papel mais polêmico de sua carreira. Baseado numa obra de Tenessee Williams, observamos uma mãe nada usual atraindo homens de uma tribo para aplacar desejos sexuais do próprio filho. O final aterrador chocou os anos 60.

header_filmesexo_shame

SHAME

Um homem doente por sexo, viciado no prazer e na submissão da carne a qualquer preço. Assim é o personagem premiado de Michael Fassbender nesse filme, que explora o ato sexual como doença e sem nenhum prazer. O que fazer quando só descendo cada vez mais fundo em categorias sexuais podemos aplacar nosso desejo doentio?

header_filmesexo_melancia

O SABOR DA MELANCIA

Tsai Ming-Liang é um dos mais brilhantes cineastas da atualidade e resolveu brincar e fetichizar atos sexuais dos mais bizarros nesse seu longa metragem. Uma história de amor comum entre um homem e uma mulher vira um festival de bizarrices quando ela descobre que ele é um ator pornô e quais são suas taras. Tire pelo título do filme e embarque nessa viagem especial e hilária.

header_filmesexo_crash

CRASH

Esqueça o (pavoroso) vencedor do Oscar de melhor filme de 2005. Dez anos antes, o mestre David Cronenberg nos apresentou com um mundo onde as pessoas sentiam tesão por acidentes automobilísticos e escolhiam transar durante a realização de reproduções de acidentes famosos da história. Alucinadamente fascinante, como quase tudo que vem desse mestre canadense.

header_filmesexo_shortbus

SHORTBUS

O filme fetiche por excelência. Difícil lembrar o que não aparece por aqui, por que tem de tudo: auto-felação, lesbianismo hard, sexo durante saraus de poesia, orgias das mais variadas. Enfim, não procure o usual no longa de John Cameron Mitchell, mas, sim, procure um belo filme sobre liberdade de expressão e o prazer como forma de vida.